O que faz alguém formado em Tecnologia em Defesa Cibernética?

O curso de Tecnologia em Defesa Cibernética segue atraindo uma grande quantidade de novos alunos ao redor do país. Muito disso se explica pelo fato de a área de TI permanecer em alta, com o mercado de trabalho sempre em busca de profissionais qualificados para desempenhar as mais diversas funções. Porém, antes de efetivamente realizar a matrícula na faculdade, é fundamental saber mais sobre como será o dia a dia de trabalho após formado, e é exatamente com esse propósito que produzimos este texto.

Mas, antes de efetivamente focarmos nas áreas de atuação, convém falarmos, mesmo que forma resumida, o que é Defesa Cibernética. Bom, ela pode ser denominada como um conjunto de práticas que tem como objetivo proteger servidores, computadores, sistemas eletrônicos, redes, dispositivos e dados, contra os ataques de pessoas mal-intencionadas que atuam no mundo virtual.

Em outras palavras, são práticas utilizadas para aumentar o nível de segurança de todos os ambientes e dispositivos, desde a nuvem de armazenamento, até a inteligência artificial e a Internet das Coisas. Ou seja, uma área de extrema importância para o cotidiano das mais diversas empresas, independentemente de qual seja o ramo de atuação.

O que faz um profissional de Tecnologia em Defesa Cibernética?

É importante, antes de tudo, destacar que esse profissional pode atuar tanto em uma empresa voltada especificamente à tecnologia, quanto em uma que lide com seguros, por exemplo. Algo que não resta dúvida é o fato de haver demanda de trabalho em qualquer organização que priorize a sua segurança digital. Por isso, podemos afirmar que são inúmeras as oportunidades para quem conquista um diploma no curso de Tecnologia em Defesa Cibernética.

Entre as atividades está a atuação com desenvolvimento de gestões eficientes e seguras para ativos de redes, vulnerabilidades, atualizações (patch) e programas de atualização projetada para corrigir um erro ou falha de segurança em um programa (também chamados de hotfixes). O profissional da área promove ainda a atualização e faz o monitoramento de segurança, política, conformidade e backups.

Já um Gestor em Segurança Cibernética, outra função bastante visada, é um profissional capaz de gerir projetos e equipes com autonomia, conhecimentos e habilidades em cybersegurança, com perfil moderno, e inovador.

Outras possibilidades de atuação…

Como essa é uma área em expansão, existe uma grande gama de possibilidades de atuação, além das que citamos anteriormente, para os profissionais formados. Separamos algumas delas abaixo para que você possa conferir e analisar qual tem maior relação com as suas habilidades e preferências profissionais, ou seja, a que melhor se encaixa no seu perfil.

  • Segurança da Rede: área responsável por garantir que todos os componentes de rede da empresa estejam protegidos contra ameaças e vazamentos de informações. Costuma ser a primeira linha de defesa da organização, portanto, para trabalhar nesse setor é necessário conhecer os protocolos de segurança de rede e as ameaças mais comuns a esses sistemas.
  • Segurança de Informações e Dados: área responsável pela proteção de dados da empresa (inclusive dos usuários) contra roubos, mudanças e remoção. É preciso ter conhecimento em gerenciamento de riscos, políticas ISO e arquitetura de segurança para trabalhar nesse segmento.
  • Segurança da Nuvem: área responsável pelos arquivos e dados compartilhados na nuvem. Ela garante que os usuários façam o uso seguro de aplicativos, da web e de transferência de arquivos. Para atuar nesse setor, é bom conhecer linguagens de programação (exemplo: Phyton) e plataformas de serviços na nuvem (exemplo: Amazon AWS).
  • Segurança de Aplicação: área responsável por encontrar e ajustar vulnerabilidades no código-fonte dos computadores, web e dispositivos móveis. Para atuar nela é bom ser familiarizado com linguagens de programação.
  • Segurança de Terminais: área responsável pela permissão aos servidores de se comunicarem de forma segura com os terminais, o que pode incluir dispositivos pessoais. Aqui os profissionais estão diretamente envolvidos em desenvolver e configurar plataformas de proteção, garantindo a compatibilidade dos terminais.

Faculdade de Tecnologia em Defesa Cibernética

Agora que você já conhece mais sobre as possibilidades de atuação do profissional de Defesa Cibernética e concluiu que essa realmente pode ser uma excelente alternativa para o seu futuro profissional, precisará, claro, matricular-se em uma graduação específica. E não apenas nessa área, mas em quaisquer outros cursos de graduação a distância na área de Tecnologia da Informação, é essencial optar por uma instituição de qualidade, afinal de contas, o que aprenderá no seu decorrer será a base da sua carreira, portanto, ela precisa ser sólida para que você construa um futuro próspero e de sucesso.

A faculdade de Defesa Cibernética à distância é dividida em quatro semestres, sendo cada um deles constituídos por dois módulos. Ao todo o aluno terá uma carga horária de 2.000 horas nas quais terá acesso às disciplinas propriamente ditas, e também precisará realizar Atividades Curriculares de Extensão (ACE), Atividades Práticas e Complementares (ACP) e Atividades Integradoras.

Além disso, os livros digitais e as videoaulas online que compõem o material didático dos cursos são escritos e gravados especificamente pelos autores-professores de cada disciplina. Ou seja, um enorme diferencial, que dá total unidade aos conteúdos disponibilizados, permitindo assim um estudo livre de dúvidas.

Tecnologia em Defesa Cibernética – Grade Curricular

1º Semestre

  • Liderança, Cidadania, Ética e Tecnologia Sustentável
  • Cybersecurity
  • Integração Computacional de Hardware e Software
  • Gestão Ágil de Projetos em Cyber e Redes de Computadores
  • Desenvolvimento de Soluções com Python
  • Direitos Humanos e Relações Sociais

2º Semestre

  • Desenvolvimento Web
  • Ethical Hacking e Análise de Vulnerabilidades
  • Sistemas Operacionais e Internet das Coisas (LOT)
  • Engenharia de Software
  • Projeto de Gestão, Proteção e Análise de Vulnerabilidades
  • Educação Ambiental

3º Semestre

  • Programação Mobile
  • Devops
  • Perícia Forense Computacional
  • Governança de TI e Direito Cibernético
  • Projeto Inteligência e Contrainteligência Cibernética
  • Língua Brasileira de Sinais – Libras

4º Semestre

  • Técnicas de Ataque e Defesa Cibernética
  • Digital Business e Design Thinking
  • Empreendedorismo Digital e Tecnologias Exponenciais
  • Programação de Alta Performance
  • Desenvolvimento de Startups

Como pôde ser observado, a grande maioria das disciplinas do curso de Defesa Cibernética EAD são voltadas especificamente para a atuação na área, mas há ainda disciplinas como Liderança, Cidadania, Ética e Tecnologia Sustentável, Direitos Humanos e Relações Sociais, Educação Ambiental, e Língua Brasileira de Sinais – Libras, que também terão grande utilidade para ingressar no mercado de trabalho.

Outro detalhe interessante é que, ao final de cada semestre, o aluno ganha certificados totalizando, portanto, quatro ao formar-se no curso de Defesa Cibernética, e entre eles, claro, estará o Certificado de Qualificação Profissional em Cybersecurity.

No mais, só podemos parabenizá-lo pela excelente escolha de carreira e torcer para que num futuro próximo você alcance o máximo sucesso!

Equipe de redação do Canal do Produtor

Cada integrante de nossa equipe carrega consigo uma valiosa coleção de experiências e habilidades singulares, culminando em um conjunto coeso que busca incansavelmente a excelência na criação de conteúdo. Nosso objetivo primordial é superar as expectativas, oferecendo aos nossos leitores uma experiência que não apenas enriqueça, mas também permaneça na memória.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

20 + 9 =